sábado, 24 de setembro de 2011

Fechado para balanço!

Não havia mais espaço quando ela entrou no deposito com o novo produto na mão. Estavam todas as outras amostras empilhadas, amontoadas e mal ajeitadas por todos os cantos. Umas em cimas das outras, misturadas e indentificáveis. Aliás, muitas delas entraram ali sem nenhuma etiqueta de identificação.
 Foi aí que ela parou pra pensar onde colocaria aquela nova amostra. Não havia lugar.  Será que deveria espremer junto com outra em alguma brecha qualquer e deixa-la lá, simplesmente parada e esquecida ou deveria, enfim, rever a organização do lugar!? Não... Reorganizar tudo iria dar tanto trabalho! Poderia, inclusive, ser fatal! Já havia se machucado algumas vezes tentando fazer isso.
 Mas ela simplesmente não conseguia deixar aquele lugar sem olhar para cada coisa que estava guardada. Tanta coisa inútil! Se perguntava por que já não tinha se livrado delas. Tentava se justificar a si mesma: cada um deles é um pouquinho do que eu sou. Será mesmo?
 Olhava de novo o que estava em suas mãos (também sem etiqueta). Aquilo não poderia ir direto para o lixo? Pra que coloca-lo ali dentro, a confusão já era generalizada!!
 O problema é que agora a duvida não era só sobre o novo produto. Era sobre todo o deposito. Deveria revira-lo?  Transforma-lo, reforma-lo, destruí-lo!!!?? Preferia que agora ele estivesse partido, acabado por algum motivo especifico e identificável  ao invés de toda essa confusão que insistia em habita-lo.
 Por que num momento desse qual seria a decisão mais sábia a ser tomada? Fecha-lo para balanço? Era uma ideia viável.  Saiu de cena com a caixa ainda em mãos (essa nem entraria lá). Fechou a porta e parou por um instante. Quando será feito o balanço já é outros quinhentos. A única decisão tomada por enquanto é que por um certo tempo nada nem ninguém entraria ali de novo.

Um comentário:

Pam disse...

Todos estamos em balanço.
É inevitável acentuar seu texto com os olhos, eu juro é mais forte do que eu... hauauahuahuahuahauh