terça-feira, 21 de junho de 2011

Confissão


Eu odeio ter que confessar isso, mas eu estaria mentido se dissesse que não me sinto sozinha às vezes, que não gostaria de ter alguem do meu lado com quem eu pudesse me abrir e que eu pudesse confiar inteiramente. Alguem que me fizesse sentir uma pessoa especial, única e não só mais uma no mundo. Alguem que me amasse o tanto que eu o amasse de volta.
Eu preciso confessar que eu queria sentir meu coração bater mais forte e em sincronia com algum outro. Algum outro coração que estivesse disposto a me aceitar como sou e me guardasse um espacinho nele.
Eu preciso confessar que mesmo não acreditando no amor, eu queria conhece-lo e ter provas que ele existe. Eu queria acreditar nele. Mas por onde anda? por onde anda o meu amor então? Se ele existe, porque não aparece logo?
Eu estaria mentindo se dissesse que não me importo em esperar. Eu me importo sim! Eu já estou desiludida, de saco cheio, eu cansei! Cansei de assistir romances e viver decepções.
Sério, eu odeio mesmo ter que admitir que eu me sinta assim! O que eu mais quero é ser livre,independente, me sentir completa por si só...afinal, somos individuos complexos e inteiros, não precisamos de ninguém que seja a tampa da nossa panela ou a outra metade da nossa laranja. Mas alguem realmente se contenta com isso?

4 comentários:

rocarneiro disse...

Amanda,
Como costumam falar por aí : A vida não tem um manual de instruções. Aliás, se tivesse ninguém o leria, como sempre acontece com os manuais.
Então, a única forma que temos de fazer as coisas é por tentativa e erro. Simplesmente não existe um jeito de evitarmos sempre toda e qualquer dor. Então, se vamos sofrer de qualquer forma, que seja por tentar, e não por não tentar. O amor é bom, mas pode ter alguns efeitos colaterais, quando não se ama a pessoa certa. Mas.. como saber qual a pessoa certa, a não ser que tentemos? E sabe o que mais ? A recompensa, quando acertamos, é muito boa . Uma dica: os opostos podem se atrair, mas não conseguem se manter. A sua "cara-metade" não necessariamente vai ser alguém que seja o seu oposto, mas bem provavelmente vai ser alguém bem parecido com você, com gostos parecidos com os seus, com um temperamento parecido com o seu.
O amor existe. Talvez não como nos contos de fadas, mas provavelmente até de uma forma melhor, mais real.
Acredite!

Pam disse...

Somos completos, mas precisamos de alguém para mostrar toda sua completude.
Eu sei que é muito clichê mas quando você menos esperar ele aparece. Talvez ele já tenha aparecido, entretanto, você ainda não deu conta.

nagaiver disse...

A Pam tem razão Manda. As relações humanas são complexas, completas, acho que não nos completamos, somos completos, entretando o outro vem para desconstruir a completude, construindo outras construções. Nossa, que filosófica essa discussão né?

Amanda Carneiro disse...

Muuuito filosofico Nagai!!!! (:
huahuahuahua